Quarta-feira
05 de Agosto de 2020 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias Jurídicas

Receba Conteúdo Jurídico

Cadastre-se aqui e receba periodicamente nosso conteúdo jurídico exclusivo!

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,33 5,33
EURO 6,27 6,28

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Valparaíso de Goiás, ...

Máx
24ºC
Min
8ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Valparaíso de ...

Máx
24ºC
Min
8ºC
Predomínio de

Hoje - Brasília, DF

Máx
24ºC
Min
11ºC
Predomínio de

Quinta-feira - Brasília, DF

Máx
25ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Prefeitura de Goiânia terá de adotar ações para evitar contágio do novo coronavírus às pessoas em situação de rua

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), sob a relatoria do desembargador Luiz Eduardo de Sousa, negou recurso interposto pelo Município de Goiânia, que foi condenado a disponibilizar novos pontos de apoio de higiene pessoal, espaço para acomodação, banheiros e chuveiros móveis às pessoas em situação de rua que vivem na capital. Determinou, ainda, a garantia de atendimento e isolamento imediato àqueles que apresentem suspeita de contaminação. Consta dos autos que a Defensoria Pública do Estado de Goiás ajuizou ação civil pública para que o ente público municipal implementasse medidas para proteção, prevenção e cuidados dos moradores em situação de rua, no período de pandemia provocada pela Covid-19. No processo, a Defensoria alegou que os moradores de rua são extremamente vulneráveis, estando em situação de agravado risco, motivo pelo qual se faz necessária a adoção de medidas que evitem ou diminuam o contágio pelo coronavírus. O Município, por sua vez, interpôs recurso, cujas razões alegou deter menor orçamento para cuidar da saúde e assistência pública aos moradores em situação de rua. Pontuou que essa prevenção deve ser feita não só pelo município, mas entre os entes da Federação. Nos autos, o ente público destacou que adotou medidas de enfrentamento a pandemia, tais como a disponibilização de 84 (oitenta e quatro) servidores para o atendimento de tais necessitados. Pediu, ao final, a concessão do efeito suspensivo da decisão e o provimento do recurso. Ao analisar os autos, o desembargador argumentou que a decisão agravada encontra-se devidamente fundamentada e amparada nas provas que instruem o feito. Ressaltou, ainda, que o impedimento de concessão de liminar admite exceções, principalmente quando a situação levada à apreciação judicial tiver a possibilidade de causar danos a direitos de grande relevância e que podem ser prejudicados em virtude da demora da prestação jurisdicional, como no caso da pandemia decorrente da Covid-19, que acomete toda a população mundial. Processo: 5274378.31 (Texto: Acaray M. Silva - Centro de Comunicação Social do TJGO) 
14/07/2020 (00:00)

Contate-nos

KESSLER ADVOCACIA

Avenida Marginal (Quadras 44 a 48)  S/N  Quadra 47 Lote 06 Sobreloja Sala 101
-  Jardim Ipanema
 -  Valparaíso de Goiás / GO
-  CEP: 72872-003
+55 (61) 3083-3310+55 (61) 99939-3527
Bem-Vindos!  369561
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.